sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Reforma da Administração do Poder Local, contributo para a discussão que se exige

Depois da CPS ter tomado posição sobre a deliberação da Câmara Municipal no sentido de se opor à Reforma da Administração do Poder Local, o Prof. Mário Leite e o Eng.º Manuel Teixeira estiveram na Rádio Voz de Basto a dar o seu contributo para a discussão que se exige.
Ouça aqui!


Mensagem de Natal do Presidente da CPD


Cara(o) Companheira(o)
O ano de 2011 aproxima-se do fim. Um ano, para os portugueses e para os militantes do PSD em particular, marcante. Chegados aqui, apesar de mergulhados numa profunda crise financeira e económica, os portugueses souberam quebrar um desastroso ciclo político de hegemonia socialista e conferir o poder governativo ao Partido melhor preparado para recuperar a credibilidade do País. Prioridade: dar novamente esperança aos portugueses. O PSD é novamente chamado a apontar um rumo firme para Portugal e não falhará.
Liderados pelo atual Primeiro-Ministro, o nosso companheiro Pedro Passos Coelho, assumimos um compromisso firme, que não abandonaremos, com a verdade e com o rigor. Não optamos por contornar a verdade, escudados em promessas. Os Portugueses acreditaram em nós e, por isso, vencemos, venceu Portugal!
No nosso Distrito, Braga, uma região muito fustigada pelas consequências desta fase depressiva, em todos os Concelhos, fizemos um trabalho do qual nos podemos orgulhar. Motivamos a nossa militância, informámos e envolvemos pessoas e instituições e crescemos em votos e número de deputados. Os cidadãos confiaram em nós e esperam de nós uma ação interessada e empenhada na construção de soluções para as pessoas, associações, escolas e empresas do Distrito.
O nosso trabalho político é agora mais necessário do que nunca. Em cada rua, associação, fábrica, universidade ou café do nosso Distrito existem inúmeras pessoas a quem temos a obrigação de continuar a explicar as políticas com que o nosso governo se comprometeu, o porquê deste percurso, as implicações das opções, os objetivos que se pretendem. Aos mais afetados – trabalhadores, empresários, estudantes - e desprotegidos – desempregados, pensionistas, pequenos reformados - temos que demonstrar a razão de alguns sacrifícios e apoiá-los na procura de soluções particulares, mas sem esquecer o bem comum. É um trabalho difícil e intenso. Todos temos que ser parte da solução, esquecendo os pequenos problemas, mas não esquecendo os grandes desafios que temos que, como País, ultrapassar.
No PSD / Distrito de Braga e em cada um dos dirigentes distritais encontrarão apoio, pessoas motivadas, conhecedoras da realidade, que ouvem as populações, empenhadas em fomentar soluções locais, em contribuir para o sucesso do País. O ano de 2012 vai ser um ano difícil, de difíceis reformas estruturais, de baixo ou nulo crescimento, de parca criação de emprego, mas é também e principalmente um ano de transição para um Portugal diferente. O trabalho, a transparência, o rigor, a participação cívica irão ser valorizados e serão padrões que permitirão construir uma sociedade mais equilibrada e pujante, um País mais forte onde valha a pena viver, trabalhar e construir um futuro.
Cara(o)s companheira(o)s
O nosso Partido, o PSD, continuará de portas abertas para todos.
Um bom Natal e que 2012 seja um ano de esperança para todos nós.
Paulo Cunha
Presidente da CPD Braga

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

A política do “contra”!

O PS no Governo solicitou o auxílio da troika e com ela celebrou um Memorando de Entendimento, que assinou, em Maio de 2011, e para o qual teve o apoio do PSD e do CDS.

Nos pontos 3.41, 3.42 e 3.44, ficou consignada a necessidade de se efetuar a Reforma da Administração do Poder Local.

Para se evitar uma reorganização sem a auscultação e intervenção das Autarquias, populações e diversas entidades Concelhias, apresentou o actual Governo, nos últimos dias de Setembro de 2011, um Documento Verde da Reforma da Administração Local, versando quatro aspetos:

  • Sector Empresarial Local: reanálise, com vista à diminuição das actuais Empresas Municipais e Intermunicipais, essencialmente as que não são autossustentáveis; 
  • Organização do Território: com vista à aglomeração de Freguesias para obterem maior dimensão, escala e competências; 
  • Gestão Municipal, Intermunicipal e Financiamento: propondo um estudo sobre modelo de competências, financiamento e transferências de recursos, para aumento de eficiência e redução de custos; 
  • Democracia Local: apontando para a redução dos actuais órgãos locais, alteração da formação e composição dos Executivos, limitação dos membros de apoio aos executivos e alteração das competências das Assembleias Municipais e Freguesias. 

Volvidos alguns meses e quando o novo Governo tem de aplicar esta medida, eis que o PS está contra, aliás como em relação a todas as outras medidas que negociou, subscreveu e comprometeu-se a cumprir.

O PSD de Cabeceiras de Basto, conforme já foi divulgado, propôs que a Câmara Municipal assuma também a sua responsabilidade na discussão e na tomada de decisão sobre esta matéria.

A resposta veio rápida e direta. A maioria socialista apresentou e aprovou uma proposta de deliberação em que se manifesta “contra” a Reforma, como se isso resolvesse alguma coisa.

À necessidade de reestruturar a administração local, que todos reclamam, disse “contra”. À necessidade de uma nova lei das finanças locais, disse “contra”. À alteração da legislação eleitoral para as autarquias, disse “contra”. A uma nova legislação para o setor empresarial local, disse “contra”.

Quando urge aproximar ainda mais as Juntas das suas populações, quando é fundamental dotá-las de competências, mas também dos recursos próprios para as executar, sem depender do poder da Câmara, a maioria socialista disse “contra”.

E disse “contra” sem avançar uma única solução, sem uma única proposta para o processo de discussão sobre esta reforma que terá de estar concluída em meados do próximo ano.

O PSD exige que a Câmara assuma as suas responsabilidades. É da sua competência promover o debate, fazer os estudos, procurar os consensos (já que esta reforma nunca poderá ser feita nas costas dos cabeceirenses e muito menos contra eles) e apresentar uma proposta final sustentada.

O PSD desde logo se manifestou disponível para contribuir neste processo e não aceita que se diga que se está “contra”, só porque se está “contra”, e quando sabemos que estamos obrigados INTERNACIONALMENTE a cumprir um programa de reforma da administração do poder local, assumido pelo PS.

O PSD não aceita que este processo fique esquecido até ao último dia, para que nessa ocasião se venha a assumir uma qualquer proposta feita nas costas das populações e sem qualquer debate sério e consensual.

Esta é uma matéria para as gerações futuras e consequentemente impõe diálogo e consensos, coisas que não estão na forma de agir da gestão da nossa autarquia.

Esperemos que o PS, quer na reunião da Assembleia Municipal, quer na Câmara Municipal, venha a reconsiderar a sua posição, a favor do concelho e dos cabeceirenses, sob pena de, estando somente “contra”, nada fazer e ver depois o Governo, por imposição da troika, assumir uma decisão que pode não ser aquela que mais nos agrada.

Cabeceiras de Basto, 20 de Dezembro de 2011 

A Comissão Política de Secção do PSD


Ver declaração de voto apresentada na última reunião da Câmara Municipal:
http://psdcabeceiras.blogspot.com/2011/12/camara-esta-contra-reforma-do-poder.html

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Câmara está contra a Reforma do Poder Local

A Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto deliberou, com a votação da maioria socialista, manifestar-se contra a Reforma da Administração do Poder Local.

Os vereadores do PSD apresentaram a seguinte declaração de voto:

"A Reforma da Administração do Poder Local é uma exigência do Memorando de Entendimento (MoU) celebrado entre o Governo do Partido Socialista (PS) e a “TROIKA”, decorrente da situação a que o País chegou após quase quinze anos de Governos do PS. 

O actual Governo tem, assim, a obrigação de executar uma medida, que foi negociada e subscrita pelo anterior executivo Socialista (conforme pontos 3.41, 3.42 e 3.44 do MoU), cumprindo a cada Autarquia assumir a sua parte neste processo. 

Como qualquer reforma, parte de pressupostos base e genéricos. No Documento Verde, é definida uma Matriz de Critérios Orientadores, com objectivo de uma discussão alargada, deixando ao critério dos órgãos autárquicos e das populações a possibilidade de encontrar as melhores soluções para cada uma das comunidades. 

Começar a discussão deste delicado tema pela apresentação de uma deliberação na qual se exprime a não concordância com a proposta de Reforma apresentada pelo Governo sobre esta matéria, sem que se assuma quaisquer outros argumentos ou propostas que visem atingir o objectivo inserto no acordo celebrado, que ainda é mais abrangente que o Documento apresentado pelo actual Governo, não só nos parece incorrecto, mas também errado. 

Mesmo que o objectivo seja o de manter as actuais estruturas autárquicas em todas as dezassete Freguesias do Concelho, o que não rejeitamos, já que não está em causa extinguir qualquer Freguesia, cabe ao executivo municipal promover a discussão, apresentar os estudos efectuados, dialogar com as populações e os diferentes agentes locais e promover a apresentação de uma proposta final sustentada. 

Na deliberação apresentada para votação, são considerados pressupostos quanto ao número de Freguesias a extinguir que não parecem correctos. De uma pré-análise efectuada ao Documento Verde, parece-nos ser possível chegar desde já a junção de apenas 4 juntas de Freguesia e não as 6 indicadas. É ainda de referir que uma das condicionantes para 2 das Freguesias é a sua classificação como áreas mediamente urbanas. A classificação poderá não ser actualmente adequada e, assim, achamos que também nesta área pode haver um amplo debate. 

Os Vereadores e as estruturas locais do PSD não se furtarão ao diálogo, nem a assumir as suas responsabilidades. 

Contudo não aceitamos dizer que estamos contra, só porque estamos contra, e quando sabemos que estamos obrigados internacionalmente a cumprir um programa de reforma da administração do poder local. 

Aliás, este programa de reforma visa ainda, para além da reorganização das estruturas autárquicas de Freguesia, o reordenamento do sector empresarial local, o regime de financiamento e a legislação eleitoral. 

Esta reforma tem como finalidade descentralizar mais ainda as competências e os recursos financeiros, de modo a que as Juntas de Freguesia ganhem capacidade de intervenção e autonomia. Esperamos que isto não preocupe o poder municipal, em detrimento das populações mais recônditas do nosso Concelho. 

Não havendo intervenção das populações e agentes locais poderemos ficar sujeitos a definições do poder central, que não conhecendo em pormenor o nosso Município venham ainda penalizar mais esta reorganização. Para isso é que foi lançado o Documento Verde, uma forma de discussão e apresentação de ideias. 

Todavia não aceitaremos que este processo fique esquecido até ao último dia, para que nessa ocasião se venha a assumir uma qualquer proposta feita nas costas das populações e sem qualquer debate sério e consensual. 

Esta é uma matéria para as gerações futuras e consequentemente impõe diálogo e consensos, tal como aconteceu, por exemplo, no Município de Lisboa onde, mesmo antes deste processo, foi possível delinear uma profunda reforma consensual entre todas as forças políticas. 

Pelo exposto, os vereadores eleitos nas listas da coligação “Pela Nossa Terra” votam CONTRA a proposta de deliberação apresentada e esperam que, volvida esta fase, o Sr. Presidente da Câmara promova a apresentação dos estudos que a autarquia já efectuou, as conclusões a que chegou bem como as soluções que propõe."

Empresas municipais

Na última reunião da Câmara Municipal também foram aprovados os Planos de Atividades e os Orçamentos para o próximo ano, da empresa municipal, EMUNIBASTO, e da régie-cooperativa BASTO VIDA.

Os Vereadores tomaram a seguinte posição em relação a cada uma das votações:

"Considerando que:

· É manifestamente insuficiente o prazo de 48 horas para analisar os documentos em apreciação;

· Não é analisada a possível influência da implementação da Reforma da Administração Local;
· Não é conhecida a execução orçamental de 2011, ao longo do ano, de modo a aquilatar das condições actuais para se assumir o Plano de Actividades e Orçamento apresentado; os vereadores eleitos nas listas da coligação “Pela Nossa Terra” ABSTÊM-SE na votação destes documentos.
"

Plano e Orçamento aprovados

Os Vereadores do PSD abstiveram-se na votação em que foram aprovadas as Grandes Opções do Plano e o Orçamento para 2012, tendo apresentado a seguinte declaração de voto:


"Considerando que:
  • ·      É manifestamente insuficiente o prazo de 48 horas para analisar os documentos em apreciação;
  • · Não houve prévia discussão das suas linhas orientadoras, no executivo;
  • ·   Não são conhecidos os estudos, os projectos, as candidaturas e as prioridades das obras constantes das GOP;
  • ·    Não é conhecida a execução orçamental de 2011, ao longo do ano, de modo a aquilatar das condições actuais para se assumir o Plano de Actividades e Orçamento apresentado;
  • · Parecem existir algumas discrepâncias no que concerne às despesas com pessoal;
  • ·      Verificar-se um aumento significativo nas despesas com viadutos e arruamentos num ano de necessária contenção orçamental;
  • · Parecer exagerado a previsão do aumento das receitas;
  • · Não foi acolhida qualquer das propostas apresentadas pelo PSD, cabendo assim exclusivamente ao PS a elaboração deste documento e a sua execução."

Câmara aumenta taxas

Na última reunião da Câmara Municipal foi aprovada pela maioria socialista o aumento de taxas em valores tão significativos, que os vereadores do PSD votaram contra e apresentaram a seguinte declaração de voto:
"Exceptuando as taxas a eliminar e os aumentos globais de 3,26% em linha com a inflação, todas as propostas restantes variam em aumentos compreendidos entre cerca de 184% e 546%."

sábado, 17 de dezembro de 2011

Observatório do Emprego

Decorreu na tarde de sexta-feira a reunião do Observatório do Emprego da Distrital do PSD com empresários do concelho.
Foi uma sessão de trabalho, onde se pôde analisar as condições do desenvolvimento económico do nosso concelho e se reflectiu sobre as condicionantes que têm impedido um maior incremento empresarial.
Os níveis de desemprego existentes exigem uma profunda reflexão e uma nova estratégia, que passe por maior liberdade para a iniciativa privada, menor burocracia, menor interferência do poder local, maior apoio das estruturas descentralizadas do Estado.
Numa época em que não se prevêem grandes projectos empresariais, devido à conjuntura económica, é preciso apostar nas potencialidades locais, nas pequenas e micro empresas familiares, nas áreas dos produtos locais.
Esta aposta promoverá o empreendedorismo e criará novos empregos, ajudando o concelho a resolver os seus próprios problemas.
De outro modo, continuaremos a caminhar no sentido do aumento da dependência, do desemprego, da ilusão.
O PSD está a promover a mudança, a preparar o futuro.
Está na hora de uma nova visão para o concelho, de um novo projecto.
Com esta acção encerrou-se o plano de actividades do Psd Cabeceiras de Basto para o ano de 2011, que foi cumprindo na íntegra.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

ER 311, os remendos continuam...

Em seguimento da posição assumida quanto ao processo de requalificação da ER 311, que aqui publicamos na passada semana, o Presidente da CPS, Prof. Mário Leite, esteve hoje na Rádio Voz de Basto.
Pode ouvir aqui as suas declarações.

PSD exerce direito de oposição

O PSD de Cabeceiras de Basto foi hoje ouvido, nos termos da lei do Direito de Oposição, numa reunião presidida pelo Vice-presidente da Câmara Municipal, Dr. Jorge Machado, com a presença do Vereador Francisco Pereira e ainda de Fátima Martins e Irene Fontes. Registou-se a ausência do Presidente da Câmara nesta reunião.

Pelo PSD esteve Mário Leite, presidente da CPS.

No dia do agendamento da apreciação das Grandes Opções do Plano e do Orçamento para 2012, a submeter à reunião da Câmara, da próxima quinta-feira, foi dado conhecimento das linhas gerais do documento a apresentar.

O PSD apresentou também um conjunto de medidas que considera importantes para o Plano e o Orçamento, que aqui se reproduzem:

"Nos termos da Lei n.º 24/98, de 26 de Maio, V. Ex.ª convidou o PSD a pronunciar-se, sobre as propostas das Grandes Opções do Plano (GOP) e do Orçamento para o ano de 2012. 
Não obstante desconhecermos os estudos prévios em que assenta a elaboração dos documentos em causa, agora dados a conhecer de forma geral e sucinta, o PSD não deixa de expressar a sua opinião, que queremos construtiva em defesa dos interesses dos cabeceirenses. 
Ainda mais, quando consideramos que Portugal vive um momento particularmente difícil, o que condiciona também as opções que ao nível de cada autarquia têm de ser tomadas. 
De qualquer forma, e porque a responsabilidade política assim o exige, apresentamos as sugestões que entendemos como essenciais nas GOP e no Orçamento para o próximo ano, permitindo assim o nosso voto favorável: 
§ As GOP devem ser um documento claro e preciso, e não um enumerado de intenções ou uma mera listagem das obras necessárias; 
§ As GOP devem definir os objetivos a alcançar em cada uma das áreas de atuação, estabelecendo critérios e compromissos que evitem uma execução ao ritmo das circunstâncias e de interesses pontuais; 
§ Em termos de prioridades, entendemos dever ser tido em consideração: 1.ª – a satisfação das necessidades básicas (água e saneamento); 2.ª – apoio social; 3.ª - a educação; 4.ª – uma política para a juventude e o emprego; e 5.ª – a conservação, a manutenção e a valorização dos patrimónios naturais e edificados do concelho como uma aposta no turismo
§ As GOP e o Orçamento devem refletir com realismo e correção a situação financeira do município, evitando a sobrevalorização das receitas e a subvalorização da despesa; 
§ O Orçamento deve ser transparente e rigoroso, assumindo as efetivas dívidas ou encargos de anos anteriores; 
§ As GOP e o Orçamento deverão explicitar claramente as obras, as atividades, os seus custos e os encargos futuros, havendo uma sintonia entre os dois documentos, transmitindo a todos, e particularmente aos munícipes, clareza e objetividade nos atos previsionais da autarquia
§ As GOP e o Orçamento devem-se pautar pela diminuição da despesa, pela diminuição dos custos na aquisição de bens e serviços, pela contenção na área do investimento, e por um plano de controlo e redução da dívida existente, o que deve ser acompanhado da redução de custos para os munícipes
§ Nesse sentido e como forma de gerar um clima de atração de pessoas, empresas e investimento para o concelho, as GOP e o Orçamento devem prever incentivos e a diminuição de impostos, de taxas e licenças para a instalação de empresas
§ As GOP e o Orçamento devem, ainda, estabelecer um programa para o pagamento de dívidas a fornecedores, como medida essencial para uma gestão rigorosa e equilibrada, como também para garantir o bom-nome da Câmara Municipal e do concelho; 
§ As GOP e o Orçamento devem prever a elaboração de um Plano de Desenvolvimento Integrado e Sustentado para o concelho, perspetivando as linhas essenciais para o desenvolvimento sustentado do concelho a médio prazo; 
§ As GOP e o Orçamento devem prever um plano global de delegação de competências nas Juntas de Freguesia, acompanhada da respetiva transferência financeira; 
§ As GOP e o Orçamento devem definir as políticas para a Juventude e para o Associativismo, o que, neste caso, deverá passar pela criação de um contrato-programa regulador de direitos, deveres, apoios e incentivos; 
§ As GOP e o Orçamento devem prever um plano para a organização dos serviços e da gestão municipal, potenciadores de uma ação mais aberta e participada, mais democrática, mais transparente, mais rigorosa e menos onerosa para os cabeceirenses

Por fim e senão um dos pontos mais relevantes, as GOP e o Orçamento devem prever as regras de um amplo e participado debate sobre a Reforma da Administração Local, a sua implementação, bem como a reestruturação do Setor Empresarial Local

Sabemos que o ano de 2012 será crucial para esta Reforma da Administração Local, a qual determinará as próximas gerações. 

Uma Reforma desta envergadura terá de ser assumida pelos diferentes órgãos autárquicos, mas terá também de contar com a opinião esclarecida dos munícipes

A responsabilidade pelo êxito deste desiderato cabe em primeira mão aqueles que governam a autarquia. 

Porém, nós não nos alhearemos desse processo e estaremos disponíveis para nele participar e contribuir. 

Se os documentos que vierem a ser apresentados, ao Executivo e à Assembleia Municipal, contemplarem de forma objetiva as questões enunciadas, o PSD considerará estarem reunidas as condições para fazer face à situação do município, pelo que não deixará, nos órgãos municipais, de promover a sua aprovação."

Depois de ser conhecida a versão final dos documentos, o PSD tomará posição quanto a eles. 

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

ER 311, continuam os remendos!


O processo de reabilitação da ER 311, entre a sede do concelho e Lodeiro d’Arque, é um verdadeiro romance.
Tem partes que constituem a verdade e outras que são de verdadeira ficção.
Para os utentes, milhares de Cabeceirenses e não só, que a usam, é antes um filme de terror.
Comecemos pelo princípio, a Câmara Municipal abriu concurso para efetuar a recuperação daquela via, em Junho de 1996, sendo financiada pelas Estradas de Portugal. Contudo, e desde logo, começaram as trapalhadas.
De entre outras ficou célebre a atribuição de uma viatura de gama alta à Câmara, por parte do empreiteiro da obra. Depois, finalizada a obra, todos verificámos que faltavam valetas, aquedutos, o piso não era conforme o esperado, enfim a ER 311 ficou no estado em que está há já uma dúzia de anos.
Contudo, mesmo depois de um longo processo entre a Câmara e o empreiteiro, não foram apuradas as responsabilidades nem o assumir dos encargos pela correção do trabalho executado. Foi o projeto mal executado? Foi a obra mal fiscalizada? Não foram ativadas as garantias bancárias, prevista por Lei, ao empreiteiro? Ou pagam os munícipes? Onde estão os responsáveis?
No recente mês de agosto, a Câmara deliberou abrir um concurso internacional para a empreitada de requalificação daquela estrada, o que bem se torna necessário.
Para enorme espanto, na reunião do passado dia 17 de Novembro, três meses volvidos, os mesmos que propuseram e aprovaram a abertura daquele concurso vieram agora anulá-lo, com o argumento que não foi possível obter o financiamento dos fundos comunitários, que estavam à espera.
À boa maneira portuguesa, começaram a casa pelo telhado, construíram o castelo numa duna de areia. Pensa-se gastar cerca de cinco milhões de euros e não há o financiamento assegurado. Onde está o planeamento camarário, para evitar gastos supérfluos e extraordinários?
Em contrapartida vêm agora reconhecer que “é urgente uma intervenção em toda a extensão da ER 311” e se sugere que “algumas obras, tais como, a drenagem de águas pluviais, a limpeza e a construção de novos aquedutos, bem como, alguns alargamentos sejam executados por administração directa, através das brigadas municipais”. No futuro haverá novo concurso para as demais obras e para a repavimentação. Quando for aberto novo concurso público o que vai acontecer às obras entretanto realizadas? Se as brigadas municipais estão disponíveis para executar este trabalho, porque não o realizam na totalidade, mesmo que por fases?
O PSD sempre chamou a atenção para este processo. Desde a primeira hora que denunciou a forma como a obra decorreu e o resultado no final da empreitada.
Nestes 12 anos, milhares de viaturas e de pessoas tiveram de percorrer aqueles quilómetros em péssimas condições de segurança e de comodidade.
Como se costuma ouvir, todos sabem quando se entra nos limites do concelho: a ER 311 dá sinal.
Agora caberá aos Cabeceirenses pagar as reparações e continuar a esperar por melhores dias para ver retificado o piso.
Até lá, continuaremos com a ER 311 aos remendos!

Cabeceiras de Basto, 6 de Dezembro de 2011
A Comissão Política de Secção do PSD

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Faleceu o Eng.º Oliveira Martins


In: site da Ordem dos Engenheiros

Faleceu ontem o Eng.º João Maria Leitão Oliveira Martins, tendo-se realizado hoje as cerimónias fúnebres em Esposende, sua terra natal.
O Eng.º Oliveira Martins é também um nosso conterrâneo, por casamento com D. Maria Amélia Leite de Castro Fraga.
O Eng.º Oliveira Martins foi Deputado do PSD, pelos círculos de Viana do Castelo e de Braga, e Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, entre 1985 e 1990, nos Governos liderados por Cavaco Silva.
Nesse período, apoiou as pretensões do município de Cabeceiras de Basto para a abertura do novo traçado da EN 311 entre a vila e o lugar de Fojos, junto ao Penedo da Palha, e a retificação e repavimentação da EN 205, entre Refojos de Basto e Arco de Baúlhe, melhorando de forma significativa as acessibilidades no concelho e promovendo duas obras de vulto que ainda hoje, mais de vinte anos depois, são vitais para a circulação rodoviária.
Por esse motivo, o concelho de Cabeceiras de Basto agraciou-o com a Medalha de Ouro e promoveu-lhe uma justa homenagem.
Nesta hora difícil para toda a Família, não podemos deixar de lhe exprimir as mais sentidas condolências e lembrar quanto respeitamos o exemplo de vida que o Eng.º Oliveira Martins a todos legou.
Paz à sua Alma!

O DIÁLOGO SOCIAL É A SOLUÇÃO PERANTE OS DESAFIOS DE PORTUGAL DO PRESENTE E DO FUTURO

APÓS A GREVE GERAL 
O DIÁLOGO SOCIAL É A SOLUÇÃO PERANTE OS DESAFIOS DE PORTUGAL DO PRESENTE E DO FUTURO 


Os Trabalhadores Social Democratas (TSD), reunidos no seu Conselho Nacional, em Lisboa, a 26 de Novembro de 2011, analisando a situação política, económica e social emitem o seguinte comunicado: 
Decorreu no passado dia 24 de Novembro uma Greve Geral convocada pelas duas centrais sindicais. Independentemente de habituais “guerras de números” em torno de percentagens de adesão importa sublinhar que a greve é um direito constitucionalmente reconhecido e próprio de um Estado de Direito como aquele em que vivemos. Nesse sentido, a paralisação do dia 24 de Novembro, deve ser entendida com perfeita normalidade democrática. 
A situação particularmente complicada em que Portugal e a Europa se encontram exige medidas difíceis e corajosas que implicam sacrifícios, têm custos sociais e geram, naturalmente, descontentamento. Assim sendo, os TSD entendem que as greves e outras iniciativas sindicais são uma forma legítima de expressão de um sentimento colectivo e desse modo saúdam o facto da Greve Geral ter decorrido de modo ordeiro e organizado na esteira, aliás, de práticas anteriores. 
Os TSD entendem que os portugueses, em geral, têm plena consciência da gravidade da situação financeira e económica em que nos encontramos por via da ruinosa gestão socialista da coisa pública mas que, em paralelo, deve ser o enquadramento sindical a dar corpo aos eventuais descontentamentos. 
Decorrida que foi a Greve Geral, cabe ao Governo, em simultâneo com a prossecução do seu programa e das reformas indispensáveis a melhorar o desempenho económico do país, criar as melhores condições para o diálogo institucional ao nível da concertação social e da negociação colectiva. 
Os TSD estão assim esperançados que o clima de diálogo prevalecerá tendo em consideração que os desafios do presente e do futuro implicam a convergência dos esforços de todos. Nesse sentido, incitam os parceiros sociais a criarem sólidas bases de entendimento profícuo para que, em nome de Portugal, possamos superar colectivamente esses mesmos desafios. 
Por último, os TSD repudiam os incidentes que tiveram lugar frente à Assembleia da República e que são da responsabilidade de pessoas que não aceitam o jogo democrático e institucional e que procuram apenas criar as condições para que se possa instalar entre nós um clima anárquico contrário aos interesses de Portugal e dos portugueses. 
Os TSD não podem deixar, igualmente, de saudar a actuação profissional e proporcional das forças de segurança que, salvaguardando a ordem pública, actuaram sem excessos e claramente dentro dos limites impostos pela legalidade e o bom senso. 
A todos os que procuram tentar criar em Portugal cenários semelhantes aos que se viveram e vivem em outros países, em que se atropelam as leis e se tentam instalar climas de insurreição, importará transmitir a mensagem serena mas firme de que os portugueses são amantes da urbanidade, que sabem que os problemas se resolvem dentro dos limites da legalidade e em termos institucionais e que, acima de tudo, repudiam quaisquer tentativas de tumulto e de alteração da ordem pública. 


Lisboa, 26 de Novembro de 2011
Conselho Nacional dos TSD

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

domingo, 27 de novembro de 2011

Sinalizar o apoio do Partido


Decorreu na passada sexta-feira, dia 25 de Novembro, a Assembleia-geral de Secção do PSD de Cabeceiras de Basto, que contou com a presença do Secretário-Geral do partido, Dr. Matos Rosa e do Presidente da Comissão Política Distrital (CPD) de Braga, Dr. Paulo Cunha.

O presidente da Mesa, Sr. Abílio Alves, abriu a reunião salientando e agradecendo a presença dos convidados e particularmente a do Secretário-Geral, o que ocorreu pela primeira vez em trinta e sete anos de vivência das lides partidárias em Cabeceiras.

De seguida usou da palavra o Presidente da Comissão Política de Secção (CPS), Prof. Mário Leite, que saudou os convidados e fez uma análise da situação política local e lançou os desafios que se colocam ao partido, aos militantes e ao concelho.

O Presidente da CPD salientou o trabalho que tem sido desenvolvido pela secção, pelo que faz por merecer o apoio do partido, e a presença do Secretário-Geral é o sinal inequívoco do interesse e apoio do PSD. Tanto mais que aquela era a primeira visita do Secretário-Geral ao distrito de Braga e para vir propositada e exclusivamente a Cabeceiras de Basto.
Reconheceu a dinâmica que se está a criar em Cabeceiras, para a qual se exige um sentimento de unidade de todos os militantes, podendo-se acreditar numa vitória eleitoral autárquica.
Terminou com a manifestação do apoio pessoal e institucional à Secção, esperando que se concretizem os objetivos para Cabeceiras.

O Secretário-Geral encerrou as intervenções iniciais com uma detalhada comunicação sobre a atividade do PSD, os desafios autárquicos, a governação (a situação em que foi encontrada a máquina do estado, a economia, as medidas adotadas, as questões sociais, os desequilíbrios demográficos, a justiça, a reforma da saúde, o orçamento), e as questões da comunicação interna e externa.
Relativamente aos desafios autárquicos analisou a reforma da administração do poder local e a alteração da legislação eleitoral, registando que o PS negociou e assumiu o compromisso desta reforma, mas agora alheia-se das medidas que se tornam inevitáveis.
Sobre as questões da governação, realce para o muito barulho que se faz em torno das medidas adotadas, mas elas não são mais do que as que decorrem do acordo feito pelo PS com a “troika” e da falta de dinheiro para a gestão do país, fruto da situação de emergência em que a governação socialista nos deixou.
Mas por outro lado, ignora-se as medidas já assumidas no apoio às empresas, na compensação do IVA, na reforma do QREN, no apoio a desempregados, no PME Investe, o passe social +, o programa de emergência social, o descongelamento das pensões mínimas, no corte de 40% na despesa da administração do estado.
Quanto ao orçamento de estado, reconheceu que é exigente e rigoroso, na medida em que temos de cumprir as metas que nos foram impostas, para que estejam assegurados os apoios financeiros negociados e não sigamos o caminho da Grécia.
Fez questão de salientar ainda que num setor muito sensível, o da Saúde, a reforma em curso não afetará a qualidade dos serviços, exigindo-se antes a melhoria e a racionalização dos recursos disponíveis.
Por fim, seguiu-se um longo período de debate, tendo o Secretário-Geral respondido a cerca de vinte questões colocadas.

Já passava da meia-hora de uma noite gélida, quando foi dada por encerrada a reunião, na qual ainda houve lugar à entrega de uma dezena de fichas de inscrição de novos militantes ao Secretário-Geral , que até subscreveu, na ocasião, a ficha de um jovem militante.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Emunibasto comprou comboio turístico

Oiça aqui a entrevista do Presidente da Comissão Política de Secção, Prof. Mário Leite, sobre a aquisição do comboio turístico pela EMUNIBASTO e sobre as suas contas de 2010.



Ver também o comunicado emitido em:
http://psdcabeceiras.blogspot.com/2011/11/como-se-gasta-o-nosso-dinheiro.html

domingo, 20 de novembro de 2011

A Agricultura em Portugal – Uma Visão Prospetiva




Informação à Imprensa
19 de Novembro de 2011

Série de colóquios promovidos pelo Gabinete de Estudos e Formação prosseguiu ontem
SECRETÁRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA OUVIU QUEIXAS DOS AGRCULTORES EM COLÓQUIO PROMOVIDO PELA DISTRITAL DE BRAGA DO PSD

Sob o tema: “A Agricultura em Portugal – Uma Visão Prospetiva”, o Gabinete de Estudos e Formação Social Democrata da Distrital de Braga do PSD promoveu ontem à noite, numa unidade hoteleira de Braga, um colóquio que contou com a presença do Secretário de Estado da Agricultura, Diogo Santiago Albuquerque e proporcionou aos agricultores do distrito o esclarecimento de algumas dúvidas.
Vários agricultores e produtores de leite tiveram ocasião de apresentar queixas e preocupações ao governante que esclareceu o empenho do Governo em resolver alguns dos problemas do setor e aproveitar melhor os fundos comunitários a favor da produção nacional.

SECRETÁRIO DE ESTADO REVELA SATISFAÇÃO PELA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA PARA O FUNCIONAMENTO DA CADEIA ALIMENTAR
“A agricultura foi eleita no programa do Governo como um setor estratégico para o país. É algo que foi sendo negligenciado na última década. A agricultura foi dada como garantida, os alimentos foram dados como garantidos através da importação por serem mais baratos e a agricultura acabou por ser dada como algo pouco importante”, disse Diogo Santiago Albuquerque para justificar o estado a que chegou o setor em Portugal.
O Secretário de Estado disse ainda “Portugal não podia continuar a viver com orçamentos irrealistas que apenas se traduziam na criação de dívida aos agricultores e nada mais”, denunciando aquilo que classificou como sendo a “irresponsabilidade da ação do ministério nos últimos anos”, garantindo que o atual Governo está a trabalhar com grande criatividade para encontrar soluções realistas para o setor.
O governante disse ainda que um dos pontos estratégicos da política do Governo é a produção: “Portugal precisa equilibrar a sua balança comercial. Há zonas, como esta onde estamos, que estão vocacionadas para a produção de alimentos. Por isso, devemos fazê-lo. Se o mercado não remunerar convenientemente essa atividade, o Governo deve fazê-lo”, disse, acrescentando que também o associativismo dos agricultores é um dos eixos fundamentais para o bom funcionamento do setor, lembrando que em Portugal apenas 20% do setor funciona em associação.
“A regulação da cadeia alimentar é também fundamental para melhorar a situação. Quando há contração de preços ela dá-se apenas no produtor e não no consumidor final. Este é um problema global que a União Europeia e também Portugal estão a procurar resolver”, acrescentou o Secretário de Estado, revelando que“ainda ontem foi criada a Plataforma para o Funcionamento da Cadeira Alimentar, em que se sentam à mesa produtores, transformadores e distribuidores. Esta é uma boa notícia, pois conseguirmos sentar à mesa as várias partes implicadas na cadeira alimentar para discutir aspetos como prazos de pagamento e outros é já de si um bom sinal”.
O evento contou também com a presenta de Francisco Marques, Presidente da CAVAGRI (Cooperativa Agrícola do Alto Cávado) que explicou o funcionamento do setor cooperativo e com Paulo Cunha, o presidente da Distrital de Braga do PSD, que assim continua a proporcionar o debate dos temas que mais preocupam empresários e cidadãos do distrito, através destes encontros e colóquios, abertos não apenas aos militantes social-democratas, mas a todos os que queiram apresentar os seus pontos de vista.

PRESIDENTE DA DISTRITAL DE BRAGA DIZ QUE À MISÉRIA DO SETOR NÃO SE PODE RESPONDER COM POLÍTICAS MISERABILISTAS
Paulo Cunha mostrou-se muito satisfeito com o nível das perguntas e da participação trazidas para este colóquio, “o que revela a preocupação dos agricultores mas também a sua disponibilidade para serem parte da solução e ajudar o Governo a resolver os problemas do setor”. A encerrar o colóquio disse que o “estado miserável a que chegou a nossa agricultura, fruto de políticas erradas e falta de visão política, não pode ter como resposta uma política também miserável. À miséria a que chegou a nossa agricultura temos que ser capazes de responder com políticas de crescimento e de apoio eficazes”, afirmou, lembrando que “para inverter o ciclo em que este setor económico caiu é, desde logo, necessária coragem. Desde logo, dos agricultores. Temos que ter uma perspetiva mais empresarial. Bem sei que a nossa realidade no distrito é diferente da que se vive no Alentejo ou noutros países. Mas isso não pode ser motivo para que nada seja feito. Esse é o motivo para que façamos diferente, mas não é motivo para que cruzemos os nossos braços”, alertou.
“Estou certo que o que aqui hoje aconteceu é uma demonstração inequívoca da vontade, diversidade e tradição dos nossos agricultores. Estou certo que estes nossos agricultores verão na postura do nosso Governo que há um novo caminho a trilhar para o futuro”, concluiu.


PARA INFORMAÇÕES ADICIONAIS, LIGUE POR FAVOR PARA 964368071

Fotos e vídeos do evento disponíveis em www.psdbraga.blogspot.com e em www.facebook.com/psddistritalbraga



psdbraga

sábado, 19 de novembro de 2011

Colóquio - Agricultura

A estrutura de Psd Cabeceiras de Basto esteve representada no colóquio sobre agricultura com o Secretário de Estado da Agricultura, em Braga.
Uma sessão de trabalho muito produtiva, em que de forma frontal foram colocadas as questões que hoje preocupam os agricultores.
Nuns casos boas notícias, noutros não há folga para resolver.
Também neste sector, a herança socialista é muito pesada.
Mas ficou a convicção do empenho e do conhecimento dos responsáveis governamentais desta área na criação de uma nova política agrícola que sustente a agricultura como um sector estratégico para o desenvolvimento do País.
O PSD está a mudar a forma de fazer política, a forma de governar Portugal.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Como se gasta o nosso dinheiro

É do conhecimento público o fato de a empresa municipal Emunibasto ter adquirido um comboio turístico, que meses antes tinha servido para a campanha eleitoral autárquica do PS.

Analisada a situação, verificámos o seguinte:

1- A Emunibasto adquiriu, por ajuste direto, em 31 de Dezembro de 2009, a Maria Alice Teixeira Araújo de Sousa, um comboio turístico, pelo valor de 41.666,76 €, conforme se pode consultar na plataforma “Despesa Pública”. (Anexo I)

2- A Emunibasto regista, a págs. 40, do Relatório de Prestação de Contas de 2010, que realizou a aquisição de “outros equipamentos, no valor de 48.583,33 €, na aquisição de equipamento de apoio à atividade turística (comboio turístico)”. (Anexo II)

3- Desde logo, os montantes registados nos dois documentos não são iguais.

4- Não obstante o detalhe dos dados constantes do Relatório de Prestação de Contas de 2010, com números para tudo, desde os utentes do posto de turismo “às voltinhas a cavalo”, e mais de meia centena de fotografias, nem uma única palavra ou foto para a atividade da novel aquisição. Pelos vistos, o comboio turístico não foi tido nem achado nas atividades da Emunibasto, em 2010, pelo que a utilidade da sua aquisição fica por demonstrar.

5- Verifica-se ainda, pelos dados do já referido Relatório, que a Emunibasto encerrou o ano de 2010 com um passivo de 567.501,28 €, sendo que 117.103,46 € corresponde a remunerações a pagar e 41.735,37 € a fornecedores a regularizar.

6- Registam-se ainda valores que exigem análise e explicação política. A Emunibasto gastou 1.403.829,84 €, com pessoal, e recebeu da Câmara Municipal, através do contrato-programa o montante de 2.042.649,35 €.

7- Verifica-se, assim, que 69% do valor transferido para a Emunibasto é gasto com pessoal, o que pode pressupor uma forma encapotada de reduzir as despesas correntes nas contas da câmara.

Os portugueses e, concomitantemente, os Cabeceirenses vivem uma época de grandes dificuldades.

Muitos dos problemas devem-se ao gastar, sem pensar no futuro.

Recorre-se ao endividamento, recorre-se ao aumento de impostos, recorre-se ao aumento das taxas e demais encargos.

Porém, é tempo de olhar para a forma como é gasto o nosso dinheiro, o dinheiro dos nossos impostos, o dinheiro que nos é cobrado pelos serviços públicos que nos são prestados.

Exige-se, cada vez mais, rigor e proveito na forma como se gasta o nosso dinheiro.

Cabeceiras de Basto, 16 de Novembro de 2011

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

CONVOCATÓRIA



















Divulga-se a convocatória da Assembleia Geral de Secção (Plenário), que se realiza no próximo dia 25 de Novembro, sexta-feira, pelas 21 horas, na sede do PSD em Cabeceiras de Basto.

Mais se informa que está confirmada a presença do Secretário-Geral do PSD, Dr. Matos Rosa, e do Presidente da Comissão Política Distrital, Dr. Paulo Cunha.

Solicita-se a presença de todos os militantes e a divulgação desta convocatória.


terça-feira, 15 de novembro de 2011

José Manuel Fernandes, em Cabeceiras

Ouça a reportagem da Rádio Voz de Basto sobre a visita do eurodeputado José Manuel Fernandes a Cabeceiras de Basto.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Desenvolvimento Regional e Local: perspetivas das políticas europeias

Eurodeputado José Manuel Fernandes, em Cabeceiras
A Europa vai resolver os seus problemas

O eurodeputado José Manuel Fernandes esteve, em Cabeceiras de Basto, no passado sábado, dia 12 de Novembro, para debater as políticas europeias e o desenvolvimento regional e local.

domingo, 6 de novembro de 2011

Alteração do Blogue

A partir de agora o blogue do PSD de Cabeceiras de Basto é:


Aqui continuaremos a ação que vínhamos desenvolvendo.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Ideias 2020 - apresentação


No passado dia 15 de Outubro, decorreu a sessão de apresentação da iniciativa "Ideias 2020 - um projeto para Cabeceiras".
Na altura, a Rádio Voz de Basto efetuou a respetiva reportagem de que aqui se dá conta.

Dívida a fornecedores


O Diário do Minho de ontem não pode apresentar o valor da dívida de curto prazo a fornecedores da Câmara Cabeceiras de Basto, por falta de informação que é obrigatória, conforme referem.
Mas essa dívida era, a 31 de Dezembro de 2010, no montante de 1.064.641,37 € (cerca de 213 mil contos na moeda antiga), conforme consta da conta de gerência do ano passado, não incluindo o passivo das empresas municipais.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

O tempo passa as dívidas permanecem!


Esta noite foi de intempérie.
Por acaso ainda se lembra das intempéries de 2001.
Claro que não. Já lá vai muito tempo.
Mas os contribuintes cabeceirenses devem-se lembrar.
Por conta dessas intempéries, a Câmara Cabeceiras de Basto devia, no início deste ano, 128.923,90, ou seja mais de 25 mil contos. 
Dos 189.519,16 euros (38 mil contos) pedidos, neste de período só pagou 60.595,26 € (12 mil contos).
O tempo passa as dívidas permanecem!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Espírito reformista


Nos últimos anos os portugueses viveram a fantasia de um País adiado, por falta de coragem política e de sentido de Estado de quem nos embalou num sono de que muitos teimosamente não querem acordar.
É fácil identificar as causas e os causadores da letargia em que o nosso País se encontra, mas não basta fazer o diagnóstico, é preciso ação e coragem para empreender uma dinâmica reformista para bem de nós todos.
Se, por um lado, o nosso País está “acantonado” entre um acordo internacional que é imperioso cumprir e um “país real” em verdadeiro estado de emergência económica e social, por outro esta é a altura em que se exigem medidas que não só nos relancem na rampa do crescimento económico e da estabilidade social, como criem condições para que não mais vivamos período como este.
A administração pública, os seus funcionários e agentes, não são o rosto do culpado, nem podem ser o bode expiatório, mas têm que ser o primeiro a avançar e o exemplo a seguir.
É esta exemplaridade que se exige a quem hoje desempenha funções públicas e tanto se exige a quem foi mandatado para governar, como a todos quantos são pagos com o erário público para executar tarefas públicas.
Os autarcas e as autarquias sempre souberam estar na primeira linha do espírito reformista e a história está repleta de situações em que Freguesias e Municípios souberam dar o mote e se empenharam na construção de um País melhor.
Hoje como no passado exige-se esse mesmo sentido de responsabilidade quando se pede cada vez mais e melhor proximidade aos autarcas locais, mais e maior atenção às populações que servem, que cada vez mais precisam desses mesmos autarcas.
A reforma a que todos somos convocados a participar não pretende diminuir essa proximidade, não pressupõe uma menor necessidade desse verdadeiro amortecedor social, nem significará desconsideração por todos quantos se entregam a esse exercício de cidadania.
O que se pede aos autarcas, nomeadamente aos das Freguesias, é mais um exercício de patriotismo, que adiram ao espírito reformista em curso, fazendo cada vez mais com cada vez menos.
O Presidente da Comissão Política Distrital de Braga do PSD
Paulo Cunha  

in: Diário do Minho, 18/10/2011

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Ideias 2020 – um projeto para Cabeceiras



A apresentação pública da iniciativa “ideias 2020 – um projeto para Cabeceiras” teve lugar no passado dia 15 de Outubro, em Alvite.

O Eng. Duarte Nuno Bastos apresentou a iniciativa, os seus objetivos, a estrutura funcional e a equipa de trabalho.

O Dr. Telmo Bértolo anunciou alguns dos temas a merecer análise e deu o contributo da sua opinião sobre a área da Educação, em particular.

Seguiu-se o Sr. Mário Campilho que fez uma reflexão sobre o passado do concelho e apontou para o que tem de ser feito para um futuro melhor. Registou como objetivos: o povoamento do concelho, a qualidade de vida, o turismo. Enfatizou as potencialidades do concelho e defendeu que o futuro não pode estar dependente dos humores dos dirigentes. A sociedade civil deve ser mais empreendedora, deve existir uma nova forma de pensar e agir, deve haver uma mudança, sem medo e em resultado de um debate aberto de ideias e projetos.

O Dr. Gaspar Miranda Teixeira, numa intervenção bem-humorada, mas crítica da atual situação política, abordou a governação autárquica, a falta de democraticidade na sua gestão, o deficiente planeamento das obras e, com exemplos práticos, deu nota dos resultados negativos dos últimos anos. Apelou a que os cabeceirenses não se resignem e que todos lutem para que em Cabeceiras se possa, de novo, respirar um ar de liberdade.

O Prof. Mário Leite terminou o painel analisando a situação do concelho e apontando os objetivos desta iniciativa e do trabalho que com ela se pretende atingir. Afirmou que o PSD sempre apresentou aos cabeceirenses alternativas programáticas e de equipas autárquicas. Há, por isso, um longo historial de propostas, de ideias, de compromissos. Agora é a ocasião para enriquecê-lo com a participação de todos quantos estejam disponíveis para colaborar. É pela participação cívica que se pode promover a mudança que se exige. É tempo de olhar para o desemprego, o despovoamento, as carências sociais, a juventude, a emigração, o planeamento, o urbanismo, a educação, a cultura, os recursos naturais. Apelou a que se construa um projeto de desenvolvimento sustentado para todo o concelho e para o bem-estar dos Cabeceirenses.
No final, todos os presentes usaram da palavra para enfatizar o trabalho apresentado e apresentar desde logo algumas sugestões.
Foram abordadas os seguintes temas: a valorização das competências, o planeamento, as políticas de juventude, a abertura à sociedade civil, a fixação das pessoas no concelho, o emprego, os recursos locais, a industrialização, a agricultura, o agro-turismo, o apoio social.
Foi ainda enfatizada a atitude política. Há que criar um ambiente político novo, de abertura à sociedade civil, de liberdade, de democraticidade. Como afirmou uma das participantes, “é necessário fazer as pazes entre os Cabeceirenses”.
Esta apresentação pública foi o primeiro passo. Outros se seguirão.
O email (ideias.2020@gmail.com), o blogue (ideias2020.blogspot.com) e a conta no Facebook (facebook.com/ideias202) estão desde já à disposição de todos os interessados.
Agora, há um longo caminho que vos convidamos a percorrer connosco.
Esperamos contar convosco, para em conjunto podermos dar de novo futuro a Cabeceiras e aos Cabeceirenses.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Visita de Deputados - entrevistas




Por ocasião da visita dos Deputados a Cabeceiras de Basto, no passado dia 4 de Outubro, o Dr. Emídio Guerreiro concedeu uma entrevista à Rádio Voz de Basto.
Ouça aqui.







Também o Presidente da Comissão Política de Secção, Prof. Mário Leite emitiu a sua opinião.
Ouça aqui.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Deputados em Cabeceiras analisam a Educação

Os Deputados do PSD eleitos pelo círculo de Braga: Dr. Fernando Negrão, Dr. Nuno Reis, Dr. Emídio Guerreiro, Dr.ª Clara Marques Mendes, Dr. Jorge Paulo Oliveira, Dr. João Lobo e Dr. Hugo Soares, estiveram hoje em Cabeceiras de Basto, acompanhados pelo Dr. Agostinho Silva, da Comissão Política Distrital, para, em cooperação com a CPS de de Cabeceiras de Basto, analisarem as questões da Educação e o início do ano lectivo.
Os Deputados foram recebidos pelo Director do Externato S. Miguel de Refojos, Monsenhor José Augusto, que os guiou numa visita às instalações e
depois reuniram numa sessão de trabalho, no sentido de aprofundar o conhecimento da realidade deste estabelecimento de ensino do sector particular.
Seguiu-se uma visita à nova Escola Básica e Secundária de Cabeceiras de Basto, onde a Directora do Agrupamento de Escolas, Dr. Céu Caridade, fez o balanço do início do novo ano lectivo.
No final das visitas, o Dr. Emídio Guerreiro concedeu uma entrevista à Rádio Voz de Basto.

Duas visitas que serviram para um melhor conhecimento da realidade local, de confirmação de um início de ano lectivo sem a conflitualidade e os problemas que marcaram os últimos anos da governação socialista e o cumprimento da promessa eleitoral de proximidade para além do período eleitoral.

A Comissão Política de Secção congratula-se com o êxito desta visita e espera que iniciativas deste tipo se repitam, em benefício de Cabeceiras de Basto e dos Cabeceirenses.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Deputados visitam Escolas de Cabeceiras

Depois do adiamento da visita dos senhores Deputados às Escolas de Cabeceiras de Basto, por motivo do falecimento da mãe do Dr. Emídio Guerreiro, está marcada agora a visita para a próxima terça-feira, dia 4 de Outubro, com o seguinte programa:
14H30 - Visita ao Externato S. Miguel de Refojos
16H00 - Visita ao Agrupamento de Escolas de Cabeceiras de Basto - escola Básica e Secundária
17H30 - Declarações à comunicação social.
Com esta visita querem auscultar as realidades locais e aferir do início do ano lectivo.

domingo, 25 de setembro de 2011

SECRETÁRIO DE ESTADO DO EMPREGO FEZ MARATONA DE TRABALHO EM BRAGA A CONVITE DA DISTRITAL DO PSD



Pedro Silva Martins reuniu com observatório do emprego, com empresários, sindicalistas, políticos e dirigentes locais durante cerca de seis horas

Numa verdadeira maratona de trabalho que durou cerca de seis horas, a convite da Comissão Política Distrital de Braga do PSD, o secretário de estado do emprego, Pedro Silva Martins, participou em vários encontros com dirigentes locais, estruturas do PSD e outros protagonistas regionais do Distrito de Braga, começando por ser recebido pelo Presidente da Distrital, Paulo Cunha, e pelo Observatório do Emprego.
A Comissão Política Distrital de Braga do PSD criou no ano passado um Observatório de Emprego que tem desenvolvido um importante trabalho de investigação e diagnóstico agora transmitido e debatido com o Governante durante um encontro que decorreu numa unidade hoteleira na cidade de Braga. O secretário de estado do emprego classificou como muito importantes as informações que lhe foram transmitidas, prometendo não apenas ter em conta a realidade que lhe foi comunicada na sua ação governativa como também,“transmitir aos colegas de outras secretarias de estado e ministérios alguns dados importantes, soluções e preocupações que daqui levo hoje”.
Logo após este primeiro encontro, Pedro Silva Martins, que já foi investigador convidado do Banco de Portugal, consultor do Instituto Nacional de Estatística e que antes de aceitar integrar o Governo liderado por Pedro Passos Coelho era professor universitário de Economia Aplicada na Universidade de Londres, encontrou-se com empresários, autarcas e dirigentes associativos e sindicais bem como com outros atores económicos do Distrito. Durante várias horas, o secretário de estado pode trocar impressões com os convidados que lhe fizeram um retrato lúcido e completo da economia da região e do emprego. “Devo felicitar a distrital de Braga do PSD por esta iniciativa, abrindo-se sem qualquer receio aos que possam contribuir para melhorar o nosso nível de conhecimento, mesmo sendo de áreas políticas muito distintas da nossa. Tratou-se realmente de um contributo muito importante e enriquecedor”, afirmou.
A visita do Secretário de Estado terminou com um jantar com deputados, um eurodeputado, representantes da JSD e outros dirigentes locais e regionais do PSD onde foi debatida a situação política e económica do Distrito de Braga.
Paulo Cunha, presidente da distrital de Braga, estava também satisfeito pela forma como decorreram os encontros. “O secretário de estado do emprego foi o primeiro Governante a visitar-nos desde que o novo Governo tomou posse. Foi uma jornada de trabalho muito intensa mas que julgo ter sido muito útil. O senhor secretário de estado sai de Braga com um retrato tão perfeito quanto possível da situação económica do distrito, das dificuldades dos empresários, da situação real do emprego e das preocupações dos mais diversos setores”, aludiu, deixando o desafio: “quando quiser mergulhar no Portugal real e tirar uma fotografia total ao estado do emprego e da economia de uma região, venha por favor a Braga”.
A maioria dos intervenientes felicitou Paulo Cunha pela iniciativa e elogiou a coragem com que a distrital de Braga do PSD tem sabido abrir o partido e contar com os contributos de todos, mesmo dos que não pertencem à área social democrata, mas representam as vontades e preocupações das pessoas, dos trabalhadores e dos diversos agentes económicos e sociais.

psdbraga